Pastor Silas Malafaia é acusado de “emprestar” contas de sua igreja para esconder dinheiro de corrupção

por | Destaques, Notícias, Regional

Brasília- DF 25-06-2015 - Audiência pública sobre políticas públicas direcionadas à entidade familiar, abordando pontos do Projeto de Lei nº 6.583/13 - Estatuto da Família. Presidente da Assembleia de Deus Vitoria em Cristo, pastor Silas Malafaia. Foto: Lula Marques/Agência PT

Silas Malafaia, acusado de emprestar contas da igreja para esconder dinehiro da corrupção.

O pastor Silas Malafaia foi alvo de mandado de condução coercitiva no âmbito da Operação Timóteo, deflagrada na manhã desta sexta-feira (16), pela Polícia Federal.

Segundo a Polícia Federal, Malafaia teria “emprestado” contas correntes da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo para ocultar valores desviados em um esquema de corrupção em cobranças judiciais de royalties da exploração mineral. Em posts no Twitter, o religioso afirmou ter recebido uma “oferta de cem mil reais de um membro da igreja” de um outro pastor, que seria seu amigo.

“Não sei e não conheço o que ele faz”, completou Malafaia. O cheque teria sido depositado pelo próprio beneficiário em sua conta corrente. “Por causa disso sou ladrão? Sou corrupto? Recebo ofertas de inúmeras pessoas.” Malafaia afirmou que está em São Paulo e vai se apresentar à PF na cidade.
loading...



Comentários

Os comentários abaixo não representam a opinião do Monólitos Post; a responsabilidade é do autor da mensagem.
  1. É bom lembrar que ele apoia os tucanos, o demo DEM, e nunca criticou que não ajuda os pobres, ele só pregava prosperidade, justamente o contrário daquilo que Jesus pregou. O crente verdadeiro olha para Cristo e não se engana com todo aquele que não prega verdadeiramente aquilo que Jesus pregou.

  2. Oferta muito generosa. Como diz o ditado ” quando a esmola é grande o santo desconfia”. Malafaia deve ter desconfiado da generosidade mas certamente fechou os olhos.

Deixe seu comentário

Os comentários do site MonólitosPOST tem como objetivo promover o debate acerca dos assuntos tratados em cada reportagem. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.