Servidora que denunciou suposto esquema de rachadinha na Câmara Municipal é perseguida pelo prefeito de Quixadá

- por
  • Compartilhe:

“Eu sou funcionária da Prefeitura de Quixadá desde 1985 e deveria estar aposentada desde o ano passado, mas a prefeitura não quer entregar meus documentos. Nunca esperei passar por isso na minha vida”. Foram com estas palavras e com lágrimas que a auxiliar de escrita Valéria de Sousa Brasil descreveu a sua luta diária por um direito garantido por lei.

Ela informou que suspeita que a sua aposentadoria está sendo negada porque um áudio entregue por ela ao Ministério Público do Estado do Ceará, desagradou o prefeito Ilario Marques (PT).

Você lembra da frase “quanto que é o meu?”. A pergunta foi feita pelo vereador Guto da Glaudiesel a Valéria Pompeu, que prestava serviço ao parlamentar e era obrigada, de acordo com ela, a dividir o salário com ele. A época, ela que estava cedida ao gabinete do vereador, denunciou o suposto esquema de corrupção, conhecido como rachadinha, no Legislativo quixadaense, o que levou a justiça afastar o parlamentar.

Desde que a denúncia do esquema veio a público, a servidora vem sendo perseguida por pessoas próximas ao vereador e também pelo prefeito Ilário Marques, que tem Guto da Glaudiesel como um dos parlamentares da base aliada na Câmara. Em outubro de 2018, a funcionária pública chegou a ser agredida pelo enteado do vereador em um dos estabelecimentos comerciais mais movimentados da cidade, inclusive, ficou com o braço fraturado.

Agora, a servidora, além de não conseguir a aposentadoria, foi pegue de surpresa por uma sindicância administrativa aberta pela Prefeitura Municipal de Quixadá. Este fato, de acordo com Valéria, só comprova que ela está sendo perseguida pela gestão municipal.

“É muito triste quando a gente tenta denunciar as coisas errada aos órgãos de competência e passamos a ser perseguida por questões políticas. Eu não tenho intenção nenhuma de atrapalhar os projetos políticos do prefeito e de quem quer que seja. Eu só estou cobrando o meu direito de ser aposentada”, disse a servidora.




Deixe seu comentário

Os comentários do site Monólitos Post tem como objetivo promover o debate acerca dos assuntos tratados em cada reportagem.
O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.