Operação Labirinto: Polícia Civil prende mulher acusada de integrar organização criminosa em Quixeramobim

- por
  • Compartilhe:

Francisca Tatiane Pinheiro Nogueira (26) responde por crime de tortura e tráfico ilícito de drogas. (Foto: SSPDS)

Uma ação da Polícia Civil, por meio da Delegacia Municipal de Quixeramobim, resultou na prisão de uma mulher suspeita de integrar uma organização criminosa no Sertão Central. A prisão foi realizada, nesta terça-feira (21), é está relacionada à Operação Labirinto, cujo balanço das ações policiais culminou no cumprimento de 80 mandados de prisão e 53 mandados de busca e apreensão, no mês de abril deste ano.

Francisca Tatiane Pinheiro Nogueira (26) responde por crime de tortura e tráfico ilícito de drogas. No momento da prisão, a mulher estava em sua residência e não resistiu à prisão. Ela foi encaminhada para unidade do sistema penitenciário do Estado, onde ficará à disposição da Justiça.

A Operação

A Operação Labirinto foi deflagrada em abril deste ano, com objetivo de cumprir mandados de busca e apreensão e de prisão em desfavor de alvos que integram uma organização criminosa com atuação em municípios do Sertão Central. O trabalho policial foi resultado de investigações da Delegacia Municipal de Quixeramobim, com apoio da Coordenadoria de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), sobre o envolvimento de integrantes com o tráfico de drogas e outras práticas ilícitas.

Denúncias

A Polícia Civil pede para a população de Quixeramobim e região contribuir repassando informações que ajudem os trabalhos policiais na localização de suspeitos ou de práticas criminosas na região. As denúncias podem ser feitas pelo número (88) 3441-0302, da Delegacia Municipal de Quixeramobim, ou por meio do aplicativo WhatsApp, pelo número (88) 99325-3627. O sigilo e o anonimato são garantidos.




Deixe seu comentário

Os comentários do site Monólitos Post tem como objetivo promover o debate acerca dos assuntos tratados em cada reportagem.
O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.