Após manifestação com confusão generalizada, prefeito de Quixadá desiste de cobrar imposto de moradores da Zona Rural

- por
  • Compartilhe:

A população de Quixadá mostrou, nas duas últimas sessões da Câmara Municipal, que o futuro do município não é como atual gestão quer impor e nem como alguns vereadores da base de situação pensam. Os quixadaenses protestaram e o Executivo desistiu dos projetos de lei que transformavam as sedes dos distritos em zona urbana para cobrar mais impostos.

Os quixadaenses foram a Câmara realizar manifestação, que culminou em uma confusão generalizada, pois os munícipes estão cansados de pagar impostos e não terem a contrapartida em investimentos em diversas áreas, como Saúde e Educação.

Os ânimos ficaram acalorados, inclusive, uma mulher chegou a ser agredida por um apoiador de um vereador da base aliada do prefeito, que tentava a todo custo a aprovação do projeto.

Os vereadores foram pegos de surpresa, pois a população compareceu à plenário e cobrava que o projeto fosse colocado em pauta para ver quais dele seriam contra a população.

A gestão e a mesa diretora da Câmara não aguentaram a pressão popular e arquivaram os projetos que aumentariam o custo de vida dos quixadaenses que moram na zona rural, uma vez que além do IPTU, as pessoas pagariam mais pela energia elétrica e também a taxa de iluminação pública.

A base de oposição na Câmara desde que recebeu o projeto para análise foi contra a aprovação. O vereador Luiz do Hospital Tachou a atitude de “desumana”.




Comentários

Os comentários abaixo não representam a opinião do Monólitos Post; a responsabilidade é do autor da mensagem.
  1. Atitude desumana deste prefeito.
    Basta o sufrimento do sertanejo.
    Sem Água sem transporte Escolar
    Sem saúde e sem dinheiro para pagar tanta coisa assim. Deus tenha piedade de nós.

Deixe seu comentário

Os comentários do site Monólitos Post tem como objetivo promover o debate acerca dos assuntos tratados em cada reportagem.
O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.