Quixadá: Justiça recebe denúncias contra políticos e empresários envolvidos na Operação Casa de Palha

- por
  • Compartilhe:

A 3ª Vara da Comarca de Quixadá recebeu três denúncias contra políticos e empresários que foram presos e afastados das funções públicas na Operação Casa de Palha, deflagrada pelo Ministério Público por meio da 4ª Promotoria de Justiça e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), no último dia 24 de abril na Terra dos Monólitos. A ação investiga a existência de crimes de fraude em licitações, entre outros ilícitos, na Prefeitura e na Câmara Municipal de Quixadá.

Durante a operação, o presidente da Câmara, Ivan Construções foi preso e afastado da função de vereador. Além dele, empresários, uma funcionária fantasma do Legislativo quixadaense e o genro do prefeito Ilário Marques (PT) foram presos.

Agora, o Ministério Público do Estado informou que já entregou a justiça três denúncias contra os envolvidos no esquema de fraude em licitações. A primeira peça criminal foi recebida pela Justiça em 18 de junho e acusa o presidente da Câmara, Ivan Construções; Paula Renata Bento Bernardo, apontada pelo MP como funcionária-fantasma da Câmara; o chefe de gabinete do Legislativo municipal, Antonio Almeida Viana e o sócio da Construtora Araújo LTDA, Ricardo de Sousa Araújo dos crimes de peculato-desvio, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

No dia 24 de junho, o MP entregou a segunda denúncia contra Ricardo de Sousa Araújo, Francisco Ivan Benício de Sá e Francisco Ivan Benício de Sá Filho. O órgão acusa o empresário, o vereador e o filho dele pelos crimes de peculato-desvio e de lavagem de dinheiro.

Os sócios da FJ Engenharia Assessoria e Serviços LTDA-ME, Felipe Brito de Sá e Jonatas Ferreira de Lima, outra empresa envolvida no esquema foram denunciados na terceira peça criminal entregue a  3ª Vara da Comarca de Quixadá. Além deles, Ricardo de Sousa Araújo foi denunciado pela terceira vez. Eles são acusados de frustrar ou fraudar, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro expediente, o caráter competitivo do procedimento licitatório, com o intuito de obter, para si ou para outrem, vantagem, conforme o artigo 90 da Lei de Licitações. O Juízo recebeu essa denúncia em 21 de junho, determinando a revogação da prisão preventiva de Felipe Brito de Sá e Jonatas Ferreira de Lima, tendo em vista que, até o momento, apenas foram denunciados por crime de fraude à licitação, e mediante o cumprimento das medidas a seguir estipuladas: proibição de se ausentar da comarca por mais de oito dias sem prévia autorização judicial; comunicação à Justiça de qualquer mudança de endereço; e comparecimento a todos os atos do processo.

O presidente da Câmara de Quixadá, Ivan Construções, Paula Renata e Ricardo Araújo estão presos preventivamente. No último dia 18 de junho, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) não concedeu liminar no habeas corpus (HC) da defesa de Ivan, determinando, ainda, requisição de informações e vistas ao Ministério Público Federal (MPF). O parecer da Procuradoria-Geral da República, do dia 1º de julho de 2019, foi pela extinção do HC de Francisco Ivan.

Os membros do MPCE ressaltam que a análise do material apreendido ainda está em andamento e que outras denúncias não estão descartadas e poderão ser oferecidas em breve. o órgão ministerial fez todas, após solicitar o levantamento do sigilo dos autos, incluindo os áudios das interceptações telefônicas, bem como o compartilhamento com a Câmara Municipal de Quixadá para fins de eventual apuração dos atos do presidente da Câmara, Ivan Construções.

Com informações do Ministério Público do Estado do Ceará

 




Deixe seu comentário

Os comentários do site Monólitos Post tem como objetivo promover o debate acerca dos assuntos tratados em cada reportagem.
O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.