Polícia Civil resgata mulher de cárcere privado e prende agressor em Paramoti

- por
  • Compartilhe:

Uma ação rápida da Polícia Civil, por meio da Delegacia Regional de Canindé, pôs fim ao cárcere privado que uma mulher de 32 anos vivia há cerca de um ano e seis meses, no município de Paramoti. O agressor, companheiro da vítima, foi preso em flagrante, nessa terça-feira (16).

Conforme Daniel Aragão, delegado titular da Regional de Canindé e responsável pelas investigações, a polícia passou a investigar o caso após o recebimento de uma denúncia dando conta do crime praticado pelo homem. “Logo após tomarmos conhecimento do crime, passamos a investigar e comprovamos a materialidade delitiva do fato”, explicou Daniel.

O delegado contou que quando os policiais chegaram ao local, a vítima passou a chorar e relatar todas as agressões sofridas. Ela disse que só podia sair na companhia do suspeito, caso saísse sozinha era agredida por ele. Um fato que chamou a atenção do delegado foi que o agressor, após agredir a mulher, comprava os medicamentos para cuidar dos machucados dela. “Ele batia e ele mesmo comprava os medicamentos para tratá-la”, disse Daniel.

Ao chegar à residência onde o infrator vivia com a vítima, em Paramoti, a Polícia Civil constatou os maus-tratos sofridos pela mulher e prendeu o homem de 27 anos em flagrante. Ela, que apresentava vários hematomas pelo corpo, foi levada para a sede da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), onde passou por exames e, em seguida, foi deixada na casa de familiares.

Já o agressor foi autuado em flagrante por cárcere privado agravado – por se tratar de crime contra a companheira e por ser cometido por mais de 15 dias – e por violência doméstica devido às violências física, psicológica, sexual e moral cometidas contra a vítima. Em seguida, o homem foi encaminhado para o sistema penitenciário do Estado.

 




Deixe seu comentário

Os comentários do site Monólitos Post tem como objetivo promover o debate acerca dos assuntos tratados em cada reportagem.
O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.