EXCLUSIVO: Acusado de participação nas mortes de três PMs em Quixadá é condenado a mais de 123 anos de prisão

- por
  • Compartilhe:

José Massiano foi condenado a mais de 123 anos de prisão pela prática de diversos crimes

O Tribunal do Juri da 3ª vara da Comarca de Fortaleza, julgou e condenou nesta sexta-feira (17), José Massiano Ribeiro, acusado de participação nas mortes do Sargento Francisco Guanabara FilhoCabo Antônio Joel de Oliveira Pinto, e o Soldado Antônio Alves, além da tentativa de homicídio do PM João Alves Campos, ocorrido em junho de 2016 no distrito de Juatama, em Quixadá. Além desses crimes, Massiano também foi condenado por outros crimes de tentativa de homicídicio, sequestro, roubo qualificado, aduteração de sinal identificador de veículo e organização criminosa.

Para cada um dos três homicídios, Massiano foi condenado a 17 anos e 3 meses de reclusão, tendo como pena base, 15 anos e 3 meses, tendo sido a pena aumentada cada uma dela em 2 anos por possuir mais de uma qualificadora. Já para cada uma das quatro tentativas de homicídio, José Massiano teve pena final fixada em 10 anos e 1 mês de prisão. Já pelos crimes de roubo de dois veículos utilizados na fuga dos assaltantes, o mesmo teve pena de 10 anos e 8 meses de reclusão. Ele ainda foi condenado a penas mais brandas pelos crimes de sequestro e aduteração de veículos.

Em relação aos crimes de homicídios consumados e tentados, Massiano teve pena cumulativa de 92 anos e 1 mês de prisão. Já pelos demais crimes, a soma das penas totalizou 31 anos e 3 meses de reclusão, cebendo ao réu cumprir a pena total de 123 anos e 4 meses de reclusão, inicialmente em regime fechado.

O réu já encontra-se recluso desde o dia 28 de maio de 2019, quando foi preso na cidade de Bom Jesus no estado do Piauí, tendo passado quase 3 anos foragido desde a prática do crime. O mesmo portanto já cumpriu 2 anos, 6 meses e 19 dias de sua pena.

CLIQUE AQUI e acesse a sentença completa.




Deixe seu comentário

Os comentários do site Monólitos Post tem como objetivo promover o debate acerca dos assuntos tratados em cada reportagem.
O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.