Polícia Federal combate comércio de conteúdo sexual infantil no interior do Ceará

- por
  • Compartilhe:

Na manhã desta terça-feira (28), a Polícia Federal deflagrou a Operação INFANTE GUARDIAN, com o objetivo de proteger vítimas de abuso sexual infantil e interromper crimes de armazenamento, difusão e venda de arquivos digitais com conteúdo sexual infantojuvenil pela internet.

Nesta data, foi cumprido um Mandado de Busca e Apreensão na cidade de Barbalha-CE, expedido pela 16ª Vara da Justiça Federal de Juazeiro do Norte-CE.

A investigação teve início a partir de uma denúncia enviada por uma ONG internacional que combate a exploração sexual infantil e localiza crianças desaparecidas, em parceria com o governo norte-americano. Ao detectar o tráfego de imagens contendo sexo explícito infantil na rede mundial de computadores, identificou-se que o usuário era de origem brasileira, acionando a Polícia Federal para identificação e localização do suspeito.

A ordem de busca e apreensão foi cumprida na cidade de Barbalha-CE. O objetivo da operação é identificar outros coautores e/ou partícipes envolvidos nos delitos e obter indícios de crimes conexos à posse, armazenamento e disponibilização de imagens de conteúdo sexual envolvendo crianças e adolescentes (art. 241-A e B do Estatuto da Criança e do Adolescente).

O investigado pode responder pelo crime hediondo de posse, armazenamento e disponibilização de material pornográfico envolvendo criança ou adolescente, com penas de até 10 anos de prisão, além da possibilidade de outros crimes mais graves serem descobertos a partir da análise do material digital apreendido. As investigações continuam com a análise dos itens apreendidos.

O nome da operação faz alusão a uma das atribuições da Polícia Federal, que é reprimir crimes praticados pela internet, protegendo o direito das crianças e adolescentes de se desenvolverem livres de abusos e explorações sexuais.




Deixe seu comentário

Os comentários do site Monólitos Post tem como objetivo promover o debate acerca dos assuntos tratados em cada reportagem.
O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.